Home / Healthcare Management / Ideias e Tendências / Tomar uma decisão constitui um processo pelo qual se escolhe uma ou algumas ações entre várias possíveis

Tomar uma decisão constitui um processo pelo qual se escolhe uma ou algumas ações entre várias possíveis

Ao ter contato com o termo ‘Sistema de Informação’, entendemos que trata-se do conjunto de dados e informações organizados de forma integrada com o objetivo de atender à demanda e antecipar as necessidades dos usuários. No ambiente da saúde, é possível reconhecer que o processo decisório nem sempre é estruturado, lógico e dirigido para uma única solução. No entanto, a informação é um recurso primordial para a tomada de decisão.

Já para os modelos dos ‘Sistemas de Informação em Saúde’ (SIS) é possível promover, de forma geral, grandes mudanças relacionadas ao processo decisório, contribuindo com dados que serão analisados e modificados para utilização na tomada de decisão, configurando-se como importante instrumento de suporte.

Alguns autores, como Escrivão Júnior, referenciaram que um dos obstáculos para a utilização de indicadores no processo decisório é a falta de confiança dos gestores na fidedignidade dos dados. Ao fazer um paradoxo, é como afirmar que a principal forma de aprimorar as bases de dados é a disseminação e a utilização da informação. Observamos que o sujeito, enquanto criador da modernidade, está fragmentado entre as diversas bases de dados em saúde existentes. Seus fragmentos, características parciais e estáticas de sua vida, povoam diversos sistemas desconexos. O indivíduo perde sua identidade integral como sujeito pleno: perde sua historicidade. O tempo, na grande maioria dos sistemas de informação em saúde, é congelado em uma sequência de fotografias descontínuas, que perdem a dinâmica temporal e espacial como dimensão essencial do caminhar da vida, por conseguinte, nos processos de saúde, doença e cuidado.

Será que ainda temos muito a percorrer? Estamos na era da responsabilização pelas próprias escolhas e, como consequência direta, há a aproximação ao consentimento informado. Cada vez mais os pacientes assumem responsabilidades relacionadas com a sua saúde, em vez de delegá-las aos clínicos. “A posição do paciente está a mudar para uma posição de cliente, com evidente aumento do grau de direitos e escolhas pessoais, cuidados de excelência e o direito à autodeterminação”, afirma Moraes e Gómez (2007)1.

O processo da conduta clínica, a ser partilhado entre os profissionais de saúde, os doentes e, provavelmente, com a família, oferecendo dados importantes e com linguagem acessível, deveria ser premissa para uma tomada de decisão consciente. É notório que, para uma decisão clínica efetiva, a informação é fundamental: ela dá poder de controle e é confortante, pois o cliente sabe o que esperar. O apoio às decisões por meio de sistemas informatizados cada vez mais será aperfeiçoado até o fim do século XXI. E o trabalho do médico será muito mais no sentido de confrontar dados para a tomada de decisão do que simplesmente recordar a teoria e os protocolos. O médico deverá ser um estrategista baseado na teoria e na experiência, apoiado pelos sistemas, levando-se em conta que não há paciente igual ao outro.

A educação é fundamental para que a população esteja apta a compartilhar decisões sobre seu próprio tratamento. Apesar da evolução da informática, a “arte da medicina” está acima do sucesso estatístico e da inteligência inorgânica em suas escolhas – ela está enraizada na relação médico-paciente e nos aspectos humanos envolvidos em uma decisão.

 

*Artigo escrito por Filipe de Azevedo Fontes, Business Analyst Product Area da Agfa HealthCare no Brasil

Sobre daniele

Verifique também

Sidney Klajner, Lorena P. Pereira e Maria Lucia Capelo Vides no 100 Mais Influentes da Saúde

A cerimônia de premiação do 100 Mais Influentes da Saúde foi o grande encerramento da …