Prioridade para as fontes renováveis


 

Dezembro de 2015 foi histórico. Durante a COP-21, na capital francesa, 195 nações aprovaram o Acordo de Paris, se comprometendo a reduzirem as emissões de gases poluentes. O resultado da conferência foi comemorado, mas agora é hora de ser colocado em prática. No Brasil, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) tem a responsabilidade de articular, junto aos demais órgãos competentes do Governo e entidades da sociedade civil, as ações que apoiarão a implementação da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) brasileira ao Acordo de Paris.

Para tal, a pasta iniciou a preparação de uma Estratégia Nacional de Implementação e Financiamento da NDC, que deverá ser construída e articulada com todos os setores interessados, por intermédio do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, durante o primeiro semestre de 2017.

Um dos profissionais responsáveis pelos encaminhamentos relativos ao acordo, no âmbito do MMA, é o secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Everton Frask Lucero. Diplomata de carreira formado pelo Instituto Rio Branco, ele conversou com a Full Energy nesta edição, destacando as metas e estratégias brasileiras para o cumprimento do Acordo de Paris.

 

Dez Perguntas para Everton Frask Lucero, do Ministério do Meio Ambiente

– Em cumprimento ao Acordo de Paris, quais são as metas e estratégias do país em bioenergia?

Aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030, expandindo o consumo de biocombustíveis, aumentando a oferta de etanol, inclusive por meio do aumento da parcela de biocombustíveis avançados (segunda geração), e aumentando a parcela de biodiesel na mistura do diesel.

– … No setor florestal e de mudança do uso da terra?

Fortalecer o cumprimento do Código Florestal, em âmbito federal, estadual e municipal; fortalecer políticas e medidas com vistas a alcançar, na Amazônia brasileira, o desmatamento ilegal zero até 2030 e a compensação das emissões de gases de efeito estufa provenientes da supressão legal da vegetação até 2030; restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030, para múltiplos usos; ampliar a escala de sistemas de manejo sustentável de florestas nativas, por meio de sistemas de georeferenciamento e rastreabilidade aplicáveis ao manejo de florestas nativas, com vistas a desestimular práticas ilegais e insustentáveis.

– … Em energia?

Alcançar uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030, incluindo: expandir o uso de fontes renováveis, além da energia hídrica, na matriz total de energia para uma participação de 28% a 33% até 2030; expandir o uso doméstico de fontes de energia não fóssil, aumentando a parcela de energias renováveis (além da energia hídrica) no fornecimento de energia elétrica para ao menos 23% até 2030, inclusive pelo aumento da participação de eólica, biomassa e solar; alcançar 10% de ganhos de eficiência no setor elétrico até 2030.

– … No setor agrícola?

Fortalecer o Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC) como a principal estratégia para o desenvolvimento sustentável na agricultura, inclusive por meio da restauração adicional de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas até 2030 e pelo incremento de 5 milhões de hectares de sistemas de integração lavoura-pecuária-florestas (iLPF) até 2030;

 – … No segmento industrial?

Promover novos padrões de tecnologias limpas e ampliar medidas de eficiência energética e de infraestrutura de baixo carbono.

– … No setor de transportes?

Promover medidas de eficiência, melhorias na infraestrutura de transportes e no transporte público em áreas urbanas.

– O compromisso tende a reduzir a importância para o Brasil de energias fósseis?

No contexto da NDC, pretende-se aumentar a participação das fontes renováveis na matriz energética nacional de 40% para 45%. Esse é um esforço ambicioso, dado que o país terá crescimento populacional e deverá promover crescimento econômico até 2030. A título de comparação, um importante bloco de países se comprometeu com um patamar de 27% de renováveis em sua matriz energética até 2030.

Como ocorrerá esta transição?

Fontes fósseis continuarão sendo utilizadas, uma vez que ainda representarão cerca de 55% da matriz energética brasileira em 2030. Contudo, o governo brasileiro vem envidando esforços para uma transição para sistemas de energia baseados em fontes renováveis, em sintonia com uma descarbonização da economia mundial até o final deste século. Estará, assim, no contexto do desenvolvimento sustentável e do acesso aos meios financeiros e tecnológicos necessários para essa transição.

Serão implementadas políticas públicas para estímulo à ampliação das fontes limpas?

Por exemplo, o BNDES promoveu recentemente alterações nas suas políticas de financiamento com vistas a contribuir para a ampliação de fontes de energias renováveis na matriz elétrica brasileira e direcionar investimentos em Taxa de Juros de Longo Prazo (TJPL) para projetos com alto retorno social e ambiental.

 

Quais fontes energéticas serão incentivadas?

Segundo o BNDES, não haverá apoio a investimentos em termelétricas a carvão e óleo combustível. O banco também manteve elevada sua participação (em até 70% em TJLP) em energias renováveis como eólica, PCHs, biomassa e cogeração, e aprovou um aumento de até 80% no financiamento para projetos de energia solar, em TJLP. Antes esse valor era de até 70%.

#GrupoMidia #GrupoMidia10Anos #FullEnergy #LiderancaEmEnergia #Energy #Energia #LiderancaEmGestao

Artigo Anterior Hospital Márcio Cunha abre nova UTI exclusiva para atendimentos dos casos graves de Febre Amarela
Próximo Artigo Hospital Márcio Cunha (MG) abre UTI exclusiva para atendimentos de casos de febre amarela