Ampliação de leitos do Hospital de Urgências de Teresina e reformas de hospitais são metas do município para 2018


Construção de dois Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), ampliação de leitos do Hospital de Urgências de Teresina (HUT), reformas de hospitais. Estas são algumas das ações que serão realizadas pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), da Prefeitura de Teresina, este ano.

De acordo com o gestor do órgão, Sílvio Mendes, a FMS cumpriu os seus objetivos em 2017 e tem diversas metas para 2018.  “Entre as nossas metas para este ano temos o início do funcionamento da UPA do Satélite até março, a  ampliação de leitos do HUT,  a reforma dos hospitais da Primavera, Satélite, Dirceu, Promorar e Maternidade Wall Ferraz”, informa Sílvio Mendes.

O presidente da FMS informa também que está sendo finalizado um site para passar mais e melhores informações para a população sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) e o que ele oferece. “Muitas vezes as pessoas deixam de usar os serviços disponíveis por não saber que eles existem”, explica. Sílvio acrescenta que o Laborátorio Raul Bacelar, que realiza uma média de 160 mil exames por mês, vai disponibilizar o resultado dos exames pela internet. “Temos 41 unidades fazendo isso e vamos chegar a 100% até fevereiro”, ressalta.

Silvio informa ainda, que a gestão municipal  pretende expandir a assistência neonatal. “É nossa prioridade lutar este ano de 2018 em relação a isso, já que nossa taxa de mortalidade infantil, apesar de ter baixado nos últimos anos, está estável e precisamos mudar esses indicadores”, lembra.

Dois novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) serão construídos na capital este ano. Um na região Sudeste e outro na Leste. “Já assinei a ordem de serviço para construção de dois CAPS. Serão construídos ainda no primeiro semestre de 2018 a nova sede do CAPS II Leste, na Piçarreira, e a região Sudeste vai ganhar um novo CAPS do tipo III, no Renascença. O valor das obras é de R$ 1,8 milhão oriundos do Ministério da Saúde”, explica Sílvio Mendes.

Um Centro de Diagnóstico por Imagem, que está sendo instalado no Centro de Saúde Lineu Araújo, vai começar a funcionar também este ano. “Além disso, vamos fazer dois banheiros móveis para moradores de rua, dentro do projeto Consultório na Rua, que já temos funcionando na capital. A FMS acompanha quase 500 moradores de rua”, enfatiza o presidente da FMS.

As metas para este ano foram planejadas com base nos diversos objetivos traçados e cumpridos pela FMS no ano de 2017. “A primeira coisa que conseguimos foi o equilíbrio financeiro, nós não temos dívidas. Não temos dinheiro sobrando, mas temos o necessário. Segunda coisa que conseguimos foi controlar a dengue na cidade, por conta dos mutirões de limpeza e serviços de educação em saúde. É 0,2 nosso nível de infestação e sem nenhuma morte em 2017.  Não temos nenhum caso de zika”, diz Sílvio Mendes.

A renovação da frota do SAMU também foi alcançada em 2017, onde foram adquiridas sete ambulâncias novas para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (SAMU). “Temos mais três para chegarem agora em janeiro, e com isso renovaremos em 100% a frota do SAMU”, afirma o presidente.

Outro dado positivo é que todas as 90 Unidades Básicas de Saúde de Teresina estão com prontuário eletrônico implantado, o que significa que não se usa mais papel, além de o atendimento ter sido agilizado. A gestão consegue acompanhar tudo à distância, sabendo quem é o médico que atende e o que não atende. O prontuário eletrônico melhora o atendimento e a supervisão.

Uma Central de Marcação de Consultas e uma Central de Internação Hospitalar foram melhoradas e implantadas em 2017 na capital. “Elas são à prova de fraudes. Não tem mais processo de papel para internação hospitalar, uma internação que demorava meses para acontecer, hoje acontece em minutos”, explica Sílvio Mendes.

Ele fala ainda que, em termos de expansão de serviços, o ano de 2017 foi marcado pela inauguração do Centro Municipal de Atendimento Multidisciplinar (CMAM). Teresina tem à disposição o CMAM, que atende as demandas daquele alunado da rede municipal de ensino que possui dificuldade de aprendizagem. Um projeto de suma importância e que muda o futuro escolar de crianças e adolescentes da capital. O CMAM já beneficiou 253 unidades de ensino, totalizando 668 atendimentos médicos e terapêuticos na área de dificuldade de aprendizagem. Já foram 3.672 sessões de atendimento terapêutico.

“Podemos enfatizar também que todos os hospitais municipais estão com aparelhos de Raio X e ultrassons novos. Nós vamos nos vincular aos hospitais de outros municípios do interior para que possamos ofertar também o atendimento. Criamos um serviço de cirurgia infantil no São Carlos Borromeu para diminuirmos a fila de espera de cirurgias. Havia uma grande demanda reprimida nessa área, pois o hospital infantil estadual não estava conseguindo realizar tudo em tempo. Fizemos também o CAPS Infantil”, porque as crianças são o nosso futuro”, destaca Sílvio Mendes.

Artigo Anterior Governo investe mais de R$ 60 milhões em obras de Saúde no Sul e Sudoeste maranhenses
Próximo Artigo Mercado de saúde suplementar acompanha retração do mercado de empregos formais no Brasil