Vitória Apart Hospital utiliza alta tecnologia para tratar arritmia cardíaca

Uma tecnologia ainda recente no Brasil foi utilizada pela primeira vez no Espírito Santo durante um procedimento de ablação de taquicardia ventricular, realizada no Vitória Apart Hospital. O procedimento, feito para tratar definitivamente grande parte das arritmias cardíacas, ocorreu com o uso do Impella, um dispositivo de suporte circulatório que ajuda o coração a bombear o sangue oxigenado para o corpo.

Essa foi a primeira vez que um dispositivo de assistência ventricular percutâneo foi utilizado no Estado para auxiliar em um procedimento de ablação. Segundo o cardiologista Márcio Augusto Silva, que participou do procedimento, o aparelho funciona como um ventrículo artificial ajudando o coração a bombear o sangue e, dessa forma, permitindo que pacientes com insuficiência cardíaca grave possam realizar a ablação.

“Em casos de pacientes com arritmia, muitas vezes, a pressão arterial do paciente cai durante a ablação, não permitindo a continuidade do procedimento. O dispositivo de suporte circulatório funciona como um ‘coração artificial’ em forma de cateter, ajudando a ejetar sangue na aorta e permitindo a boa perfusão dos órgãos e a manutenção da pressão arterial estável, enquanto a ablação é realizada”, explica o médico.

O Vitória Apart foi o segundo hospital no Brasil a fazer esse tipo de procedimento com o suporte circulatório mecânico, depois apenas do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. O cardiologista Márcio Augusto Silva conta que, no caso em questão, o paciente, de 67 anos, teve infarto do miocárdio e apresentava episódios frequentes de arritmias.

Como não estava respondendo ao tratamento com remédios, foi submetido a duas tentativas de ablação por meio do método tradicional, ambas interrompidas devido à queda da pressão arterial do paciente. Somente com o novo método, foi possível finalizar com sucesso o procedimento no paciente, com o envolvimento das equipes de Anestesiologia, Enfermagem, Cirurgia Cardíaca, Cirurgia Vascular e Eletrofisiologia.

O Impella ainda pode ser utilizado em cirurgias cardíacas e angioplastias coronarianas, além de ser aplicado em pacientes com insuficiência cardíaca aguda, como forma de tratamento. “É importante saber que no Espírito Santo é possível fazer procedimentos de alta tecnologia, sem precisar ir para outros Estados. Hoje, temos potencial humano e tecnológico para realizar procedimentos complexos para tratamento das arritmias cardíacas, como nos maiores centros do Brasil e do mundo”, completa o médico.