Siegbert Zanettini, arquiteto com mais de 60 anos de atuação no mercado da Saúde, fala sobre a busca por soluções mais apropriadas para a sustentabilidade dos edifícios hospitalares

0
23

Humanização e sustentabilidade. Estas são as principais identidades registradas nos projetos assinados por Siegbert Zanettini, arquiteto urbanista e professor titular pela FAU-USP eleito entre os 100 Mais Influentes da Saúde de 2017 pela revista Healthcare Management.

Zanettini, referência na arquitetura da saúde brasileira, acredita que o objetivo do hospital, que é tratar dos problemas de saúde dos pacientes, deve estar alinhado também com as condições agradáveis que o ambiente proporciona. “De nossa experiência com inúmeros projetos na área da saúde em hospitais, clínicas, laboratórios, edifícios de permanência prolongada de idosos e infantis o ambiente tem importância considerável na recuperação dos usuários, como também nas condições de trabalho e descanso das equipes responsáveis”, afirma.

Por isso seus projetos sempre carregam traços pensando em ambientes receptivos e agradáveis, bem iluminados e ventilados, atendendo condições de conforto e arejamento adequadas em cada ambiente com soluções dimensionadas de iluminação e temperatura para permanência prolongada de pacientes, acompanhantes e de todas as equipes funcionais: médicos, enfermagem, de limpeza, alimentação, lavanderia, manutenção e reparos.

Cada solução pensada pelo arquiteto visa responder ao desafio de superar programas e técnicas construtivas, buscando um resultado harmonioso e equilibrado entre razão e sensibilidade. “Acreditamos na nossa postura holística enquanto complexo de conceitos, processo sistêmico e integrado de produção com todas as disciplinas, contribuindo desde do início de cada projeto, com participação científica e criadora na busca de soluções mais apropriadas a acessos, relevo, clima, orientação solar, recursos, custos, durabilidade, setorização funcional, qualidade ambiental interna e externa.”

Ainda de acordo com Zanettini, todas as tendências na arquitetura da saúde serão bem recebidas se envolverem a percepção dos avanços tecnológicos, da robótica e da nanotecnologia na sua produção e no seu uso apropriados e sustentáveis.

 

Identidade ímpar

A procura constante em cada projeto sobre o uso correto de espaços e ambientes, pertinentes a cada atividade, a apropriação correta de tecnologias pertinentes, o tempo a ser ganho pela urgência das necessidades, os custos adequados a cada realidade são pilares de projeto assinados pelo arquiteto.

Os projetos devem buscar uma relação com espaços externos, vegetação adequada e áreas externas com solução paisagística de qualidade. “A arquitetura tem uma relação indissociada com a paisagem externa envolvente, explorando espaços sombreados, pátios ensolarados e locais para deambulação de pacientes”, explica.

 

Principais projetos que a Zanettini Arquitetura se dedicou na Saúde em 2017?

–  Hospital Leforte (SP)

Hospital de alta complexidade
Área total: 33.000m²

 

– Hospital Universitário Caratinga (MG)
Hospital de Alta Complexidade/Centro de Pesquisas Veterinária

Área total: 48.000,00m²

 

– Hospital Santa Mônica/ Unidade Nova (MG)

Hospital de alta complexidade

Área total: 14.480 m²

 

– Edifício de consultórios

Divinópolis MG

Área total: 8.900m²

 

– Hospital Mater Dei (MG)

Hospital de Alta Complexidade/Assistência Técnica à obra

Área total: 8.300m²

 

– Unidade Referenciada Oswaldo Cruz Vergueiro (SP)

Hospital de Alta Complexidade/Retrofit interna Global

Área total: 8.300m²

 

– Edifício da Faculdade de Educação em Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

 (SP)

Área total: 11.235m²