Perda para arquitetura da saúde

0
38

Recentemente a arquitetura da saúde perdeu um de seus profissionais de destaque: Domingos Fiorentini. Aos 69 anos, o arquiteto, que residia em São Paulo, faleceu em decorrência a uma embolia pulmonar no dia 21 de setembro. Fiorentini deixou quatro filhos e sete netos. Entre os filhos, a arquiteta Paula Fiorentini, que assumiu a diretoria do escritório de arquitetura que leva o nome da família.

À frente de importantes projetos do setor da saúde como das Unimeds Blumenau e Sorocaba, Hospital Infantil Sabará, Hospital Israelita Albert Einstein, Centro Cirúrgico e conforto do Hospital Sírio-Libanês e Hospital Regional de Divinópolis, entre outros, o arquiteto Domingo Fiorentini tornou-se referência em arquitetura da saúde.

Com duas formações: médico e arquiteto, Fiorentini somou as experiências de áreas tão distintas para compreender as expectativas e necessidades de seus clientes, transformando-as em projetos inovadores e funcionais.

O arquiteto atuou como docente da disciplina de Arquitetura Hospitalar da Faculdade de Administração Hospitalar do IPH de 1975 a 2007; Diretor Geral da Faculdade de Administração Hospitalar do IPH de 1985 a 2007 e participou em mais de 500 projetos de estabelecimentos assistenciais de saúde, dentre eles laboratórios, clínicas e hospitais.

O profissional deixa seu legado ao escritório Fiorentini Arquitetura, que segue em seus projetos o foco na racionalidade para transformar ideias criativas em soluções eficazes e duradouras. Razão e sensibilidade são reduzidas em plasticidade e funcionalidade.