Assembleia Municipal de Lagos avança com petição a favor da construção de novo hospital

0
6

A Assembleia Municipal de Lagos aprovou, por unanimidade, uma moção apresentada pela bancada da CDU que propõe o lançamento de uma petição pública a favor da construção de um novo hospital.

No documento faz-se um breve historial da evolução do actual Hospital de Lagos, que se encontrava “reduzido à prestação de um mínimo de serviços hospitalares, quando foi nacionalizado em 1974 como Hospital Concelhio, tendo sido depois integrado no Serviço Nacional de Saúde aquando da sua instituição”.

Foi, então, “equipado para a prestação de completos serviços hospitalares, nomeadamente com maternidade, urgências, serviço de diagnóstico e análises, melhoria do bloco operatório e das condições do internamento”.

Passou a Hospital Distrital em 1983, em 2004 foi integrado no Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, que, por sua vez, em 2013, foi integrado no Centro Hospitalar do Algarve e, em 2017, no Centro Hospitalar Universitário do Algarve.

No entanto, lamentam os deputados municipais lacobrigenses, “desde há cerca de 20 anos que o Hospital de Lagos têm vindo a ser prejudicado na capacidade de prestação de serviços a uma população que abrange os 3 Concelhos das Terras do Infante em progressivo e significativo aumento, seja de residentes, seja principalmente turística”.

Na sessão de 26 de Junho de 2017, a Assembleia Municipal tinha aprovado, por unanimidade, uma moção exigindo “a inclusão no OE de 2018 a construção do novo Hospital de Lagos”, recomendando “às Câmaras Municipais das Terras do Infante, às Assembleias Municipais de Aljezur e da Vila do Bispo e demais autarquias dos 3 Concelhos a solidariedade com esta tomada de posição”, de que foi dado conhecimento à Assembleia da República e ao Governo.

Como o Governo não contemplou esta pretensão no Orçamento, a Assembleia Municipal de Lagos resolveu, agora, avançar com o processo de elaboração de uma petição pública e recolha de assinatura como forma de protesto e de pressão sobre o executivo liderado por António Costa.