Seminário sobre o RenovaBio, no Rio de Janeiro, é um dos destaques do Direto da Redação desta semana

98

Confira as notícias do Direto da Redação desta semana:

No próximo dia 1o de fevereiro, acontece no Rio de Janeiro um seminário para discutir o RenovaBio. Uma política de Estado que foi sancionado pelo governo federal no final de 2017 e que visa traçar uma estratégia conjunta para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira

O evento tem como objetivo apresentar as principais iniciativas a serem adotadas pelo Ministério de Minas e Energia (MME), pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) para viabilizar a implementação do RenovaBio. O seminário, que acontece no Centro Cultural da FGV, terá cobertura da Revista Full Energy.

****

O Brasil continua ocupando a melhor posição no ranking de fontes renováveis dos BRICS, bloco composto pelos países em desenvolvimento: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Em 2016, a matriz de geração elétrica brasileira registrou 80,4% de fontes renováveis. Já no Bloco, o indicador foi de 25,3% de renováveis, quase 1/3 do nacional.

Enquanto a África do Sul, China e Índia apresentam mais de 71% de fósseis, e a Rússia 64%, o indicador do Brasil é bem menor: 15%. Já na matriz de oferta interna de energia, o Brasil conta com 43% de participação de energia renovável, mais de três vezes o indicador dos BRICS, de apenas 13,1%.

***

O Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, publicou, no final de 2017, um decreto isentando de ICMS equipamentos e componentes para geração de energia elétrica solar fotovoltaica destinada ao atendimento do consumo de prédios próprios públicos estaduais.

O benefício impacta toca a cadeia solar fotovoltaica no estado, beneficiando empresas de peças, estruturas de suporte, transformador, cabos elétricos, disjuntor, conversor, quadro de comando, seguidor solar tipo “tracker”. Uma grande gama de produtos utilizados na montagem das usinas. A medida traz garantia para o investidor e gera economia para os prédios públicos. São Paulo é o segundo maior Estado do Brasil em número de unidades geradoras de energia fotovoltaica, com quatro mil instalações.