DIRETO DA REDAÇÃO – O Grupo Mídia e a Full Energy homenagearão os 100 Mais Influentes da Energia, fique atento!

45

No Direto da Redação desta semana, confira os destaques:

Você sabia que o Oceano é uma fonte potencial de energia a ser explorada?

Um estudo da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) revela que os oceanos têm capacidade teórica para produzir o equivalente a vinte vezes o que o mundo consumiu de energia em 2013. São mais de dois milhões de terawatts por hora ao ano. Por ser consi

derada limpa, de alta densidade energética e com distribuição mundial, pode ter lugar de destaque na matriz energética global. Mas por enquanto, quase tudo se resume a muita pesquisa e alguns poucos projetos. Até o fim de 2014, a capacidade instalada em projetos de geração oceânica era de 534 megawatts (MW). A maior parte está na categoria maremotriz, que produz energia a partir da variação das marés.

No Brasil, o projeto mais conhecido foi o de um conversor de ondas instalado em terra no Porto de Pecém, no Ceará. O protótipo, com capacidade para gerar 100 quilowatts (kW), foi desenvolvido e implantado pela Coordenação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ). “Os testes comprovaram a viabilidade técnica de conversão da energia potencial das ondas do mar em energia elétrica no primeiro experimento da tecnologia na América Latina.

O projeto teve um investimento de R$ 17,2 milhões. A experiência de Pecém ajuda agora no desenvolvimento de um conversor de ondas offshore que será instalado no litoral do Rio de Janeiro.

Vamos falar de outra fonte de energia limpa, mas que já tem papel consolidado no Brasil: a biomassa. Esta fonte já corresponde a 30,9% de toda a geração energética brasileira e a 8,2% da matriz elétrica, com crescimento médio de 13% ao ano desde 2006.

O ritmo tem sido puxado pela indústria sucroalcooleira, que começou a exportar excedentes de energia do bagaço e palha de cana para a rede elétrica há 30 anos. Hoje 80 usinas injetam no sistema 21 TWh, 5% do consumo total brasileiro, evitando a emissão de 9 milhões de toneladas de dióxido de carbono. A energia da cana-de-açúcar tende a ganhar importância cada vez maior na rede, mas outra fonte de biomassa, a florestal, também deverá ser impulsionada na matriz energética brasileira.

E OS GRANDES NOMES DA ENERGIA NO BRASIL SERÃO CONHECIDOS EM BREVE! O Grupo Mídia e a Full Energy homenagearão os 100 Mais Influentes da Energia, num evento que ocorrerá em dezembro na cidade de São Paulo.  A definição dos profissionais premiados deste ano está em fase final e a lista dos homenageados serão divulgada nos próximos dias. Fique atento.