Carga de energia cresce 4,9% em abril

39

A carga de energia do Sistema Interligado Nacional em abril apresentou crescimento de 4,9% em relação aos valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de março, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico, verificou-se uma queda de 0,2% e no acumulado dos últimos 12 meses, o decréscimo chegou a 1,5% em relação ao mesmo período anterior.

De acordo com o ONS, apesar do baixo desempenho da atividade econômica, diante da demanda interna fraca e dos reflexos das elevadas tarifas de energia elétrica nos padrões de consumo, o uso intensivo de equipamentos de refrigeração diretamente relacionado à ocorrência de temperaturas extremamente altas para essa época do ano, explica as taxas de crescimento da carga.

No subsistema Sudeste/Centro-Oeste, os valores de carga de energia verificados em abril apresentam acréscimo de 5,5% em relação aos valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de março, o crescimento foi de 0,1%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses houve queda de 1,8% em relação a igual período anterior.

No Sul, os valores de carga de energia verificados em abril indicam elevação de 7,2% em relação ao mesmo mês de 2015. Com relação a março desse ano, verificou-se um crescimento de 1,1%. No acumulado dos últimos 12 meses, o Sul apresentou uma variação negativa de 4,1% em relação ao mesmo período anterior.

No subsistema Nordeste, houve crescimento de 0,4% na carga em abril na comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com o ONS, a evolução do consumo de energia da região, que vinha sendo menos impactada pela conjuntura econômica adversa e pela elevação das tarifas de energia, já sinaliza uma diminuição nos primeiros meses do ano. Com relação a março, houve queda na carga de 3,4% e no acumulado dos últimos 12 meses, de 0,6%.

A carga no Norte cresceu em abril 3,7% na comparação com o mesmo mês de 2015. O aumento se deve a interligação do sistema Macapá que, a partir de outubro, encontra-se totalmente interligado ao SIN. Desconsiderando-se essa interligação, o crescimento da carga do Norte seria de 0,2%. Com relação ao mês de março, verifica-se um incremento de 0,9% e no acumulado dos últimos 12 meses, a alta chegou a 4,9% em relação ao mesmo período anterior.