Home / Saúde Online / Unimed São Roque investe na reestruturação de data center e se beneficia com dados disponíveis e protegidos

Unimed São Roque investe na reestruturação de data center e se beneficia com dados disponíveis e protegidos

Com uma unidade hospitalar de 60 leitos e uma equipe de cerca de 500 funcionários, a Unimed São Roque atende pacientes e beneficiários de seis cidades do interior do estado de São Paulo – São Roque, Mairinque, Ibiúna, Araçariguama, Alumínio e Vargem Grande Paulista. Para garantir excelência no atendimento administrativo, clínico e hospitalar de todo esse público, a instituição vem investindo na segurança de seu ambiente de TI.

Conforme destaca Juliano Nicola, gerente de TI da Unimed São Roque, as operações da instituição precisavam contar com total disponibilidade das informações, incluindo prontuários, resultados de exames, dados financeiros, de pacientes e de beneficiários. “Nesse cenário, era de suma importância possuirmos um ambiente de Tecnologia estável, com dados disponíveis e protegidos”, diz.

Para atingir esse objetivo, a unidade investiu na adoção do Linux para os servidores Oracle/Tasy usados na gestão hospitalar, o que garantiu maior confiabilidade para as operações da Unimed São Roque. “O ambiente Oracle/Tasy e Progress/TOTVS foi replicado e, a cada 15 minutos, os dados são atualizados e armazenados em um ambiente físico diferente, proporcionado infraestrutura segura, com um plano de contingência adequado e eficiente”, detalha Nicola.

Segundo a S2It, empresa que coordenou o projeto de reestruturação do data center da Unimed São Roque, a redundância foi uma precaução para garantir a segurança do sistema. “Sabendo que o ambiente da Unimed São Roque era de operações críticas, definimos que deveria contar com uma réplica do banco de dados de Produção para que, em caso de eventual problema com o servidor original, outro equipamento com o banco de dados sincronizado estivesse à disposição, gerando um período mínimo de paralisação e o menor risco de perda de dados”, explica.

Reestruturação

De acordo com Nicola, a gestão do projeto de reestruturação envolveu desde a análise do ambiente da Unimed e das possibilidades de melhorias até a avaliação minuciosa das soluções disponíveis no mercado para resolver os problemas apresentados.

O primeiro ponto discutido foi a migração do sistema operacional, do Windows para o Linux, considerado melhor quanto aos níveis de desempenho e estabilidade.

“Ao efetuar a migração do banco de dados para um ambiente Linux e adotar a replicação dos bancos de dados para outro servidor, garantimos uma implementação com as melhores práticas da Oracle para seu banco de dados, alto nível de disponibilidade e monitoração por meio do uso de ferramentas implementadas pela S2IT, que possuem várias métricas que nos alertam para que possamos agir antes que um problema ocorra”, segundo a S2IT.

O sucesso no processo de transição envolveu ainda o fator recursos humanos, como explica o gerente de TI da Unimed São Roque. “Profissionais de áreas estratégicas foram envolvidos para garantir a execução eficaz e a ampla aderência às boas práticas do setor de saúde”, enfatiza Nicola.

Benefícios

Apesar dos desafios que se apresentam em projetos de reestruturação do ambiente de TI como o da Unimed São Roque, os resultados compensam o esforço, trazendo resultados positivos para a instituição e para os pacientes, como ressalta Juliano Nicola.  “O projeto já representou uma mudança completa na visão de data center da instituição. O resultado foi um nível mais elevado de disponibilidade dos serviços para os usuários internos e externos, além de um ambiente tecnológico mais moderno, com tempo de respostas bem mais atrativo, sem falar na redução de custos com manutenção.”

Nicola ainda acrescenta que a reestruturação ajudou a Unimed São Roque a tornar seus serviços mais eficientes e transparentes, contribuindo significativamente com a consolidação de uma gestão mais ágil e moderna. “Conseguimos estabelecer um alto padrão de organização, normatizações, confiabilidade, além de um ambiente de produção e contingência, com configurações corretas, algo que existia antes, porém não com esse grau de confiabilidade”.

O projeto deu tão certo, segundo Nicola, que se tornou referência e deve ter sequência. “Hoje, somos reconhecidos pelas outras unidades como tendo uma das melhores estruturas de data center. Os avanços terão continuidade com mais atualizações no ambiente de TI da sede na instituição”, finaliza.

Sobre

Veja também

Carlos Eduardo Gouvêa, do IES, fala sobre as ferramentas de Governança e Compliance como estratégia para garantir a sustentabilidade do mercado de saúde

O Brasil avançou rumo a uma maior transparência na área da saúde. É o que …