Home / Saúde Online / Um tour pelo Centro de Imagem Avançada da Universidade de Queensland

Um tour pelo Centro de Imagem Avançada da Universidade de Queensland

Saúde Online

 

O Centro de Imagem Avançada (CAI), da Universidade de Queensland, desenhado por John Wardle Arquitetos e Wilson arquitetos, em associação, foi concluído em 2013 e inaugurado oficialmente em junho de 2014, fica na ponta da Universidade de St. Lucia, no campus de Queensland, rodeada por uma floresta de eucalipto remanescente, que a universidade queria proteger. Isso levou o desenho da fachada sul em cascata do edifício e o projeto estabilizador vertical, o que reflete a natureza das árvores altas de eucalipto no ambiente circundante. As pequenas alas verticais também reduzem o brilho, e proporciona sombra no clima brilhante e quente subtropical de Queensland, na Austrália.

O prédio oferece espaço para 112 pesquisadores em disciplinas como engenharia, sintético, radioquímica, física, ciência da computação, biologia, medicina e psicologia. Essa mistura de pesquisadores trabalha em inovações de tecnologia de imagem, desenvolvimento de biomarcadores e disciplinas de investigação biomédica.

Tradicionalmente, este tipo de instalação de pesquisa médica é introvertido por natureza. As máquinas complexas são protegidas por camadas de estrutura e serviços necessários para fornecer um ambiente estável para uma experiência livre de vibração e interferência magnética. Em contraste, o CAI foi projetado para incluir áreas de interação e colaboração em todos os níveis, em particular destaque para o chão e pisos superiores. O design transparente faz com que as tecnologias e equipamentos de imagem visíveis para o visitante, e os espaços colaborativos de escritório aberto apoiam e incentivam a interação entre os pesquisadores.

Além de três andares de laboratórios, o CAI inclui áreas escrever, escritórios e espaços de reuniões, bem como instalações para seminários e treinamento. Há também um terraço comum para o pessoal com vista para o campus, um anfiteatro ao ar livre e um espaço da galeria. Como parte de uma abordagem integrada para o design sustentável, chaminés termais facilitam a ventilação de modo misto para os níveis superiores do escritório e espaços de fuga para os visitantes.

Um dos principais desafios do projeto foi à forma de integrar os equipamentos para o projeto de construção, quando a maior parte do equipamento emite fortes campos magnéticos para além do seu espaço físico, como, por exemplo, o poderoso sistema de 7T Magnetom MRI, que é o primeiro de seu tipo na Austrália, e mais de duas vezes tão forte como qualquer outro sistema de ressonância magnética atualmente disponível no hemisfério sul. Os arquitetos responderam com um plano complexo, que considera o espaço acima, abaixo e ao lado do equipamento, através de paredes e entre os diferentes níveis. Blindagem especialmente construída é incorporada na construção para proporcionar a proteção e isolamento do equipamento.

Dado o peso e tamanho do equipamento (algumas delas chegam a pesar de 20 a 30 toneladas), o planejamento detalhado também era necessário para descobrir como obter o equipamento dentro e fora do edifício, e para elaborar um plano de gestão e serviços de instalações especializadas.

Sobre

Veja também

Carlos Eduardo Gouvêa, do IES, fala sobre as ferramentas de Governança e Compliance como estratégia para garantir a sustentabilidade do mercado de saúde

O Brasil avançou rumo a uma maior transparência na área da saúde. É o que …