Kit bicombustível se destaca como nova tecnologia para a economia de energia em hospitais


Os hospitais brasileiros são responsáveis por 10,6% do consumo de energia elétrica comercial do país. É notável a necessidade de buscar alternativas para manter o funcionamento de uma instituição que não para durante todo o ano. É por este motivo que vários hospitais geram sua própria energia, ganhando, assim, uma vantagem econômica além da confiabilidade e segurança energética, sem interrupções.

Porém, a maioria dos geradores de energia emitem uma grande quantidade de CO2, e outros gases de efeito estufa que danificam a camada de ozônio e, consequentemente, o meio ambiente.

Buscando uma alternativa assertiva, o Hospital Sírio-Libanês, através de uma parceria entre a Sotreq, a Comgás e a MainPower, desenvolveu uma nova tecnologia para reduzir os gases emitidos por esses geradores. Trata-se do kit bicombustível, que consiste na instalação de um combustível alternativo, sendo, na maioria das vezes, gás natural na câmara de combustão. Sua principal característica é operar com o diesel simultaneamente, que é utilizado como fonte fixa de combustão.

O Hospital Sírio-Libanês adotou essa tecnologia sendo o primeiro a instalar o kit em seus geradores. “Tivemos reuniões para entender a necessidade do hospital e prover a melhor solução com um retorno financeiro, ambiental e tecnológico”, diz Emerson Cabral, Gerente de Suporte ao Produto da Sotreq.

Benefícios oferecidos pelo kit-bicombustível

Além do apelo ambiental, uma vez que reduz a 90% a emissão de material particulado em relação ao diesel, a solução traz economia financeira, reduzindo o custo com energia elétrica em até 30%. O kit também proporciona uma flexibilidade de combustível, podendo alcançar entre 50 a 70% a taxa de substituição de combustível diesel.

Na instalação, nenhuma modificação é feita no equipamento, ou seja, é fornecido o mesmo desempenho sem perda de energia ou de eficiência do motor.

Com a instalação do kit, garante-se uma significativa redução nos custos de transporte do combustível diesel e no consumo médio do mesmo, além de promover um acréscimo na autonomia dos equipamentos ao fazer o uso simultâneo de dois combustíveis (diesel e gás natural).

Colocando em prática

O Hospital Sírio-Libanês utiliza o kit-bicombustível no período entre 17h30 e 20h30, conhecido por “horário de ponta”, em que o gasto de energia é quatro vezes maior que o normal, chegando assim a produzir 50 mil kg a menos de poluentes no meio ambiente por mês.

A instalação do Kit é feita de maneira segura e pouco invasiva. O gás combustível é modulado em toda faixa de carga, realizando todo mapeamento do gás, sem afetar as características do motor.

Para a instalação, é necessário ter alguns requisitos simples, como a disponibilização para abastecimento de combustível GNV, além de sistemas de automação e controle que permitirão o gerenciamento na geração de energia, tais como transferências e proteções.

O que esperar para o futuro?

Os grandes consumidores de energia, como hospitais, hotéis, universidades e supermercados estão cada vez mais adotando o gás natural como substituto do diesel nos geradores de energia. No último ano, a procura por kit-bicombustível cresceu 10 vezes mais do que nos anos anteriores, podendo, assim, esperar um crescimento cada vez maior para os próximos anos.

Artigo Anterior Administração da Santa Casa de Maringá prevê dobrar a capacidade de atendimento em quatro anos
Próximo Artigo São Cristóvão Saúde apresenta projetos sólidos no setor filantrópico e responsabilidade social