Home / Saúde e Bem Estar / Doença de Parkinson, é preciso conscientizar

Doença de Parkinson, é preciso conscientizar

A denominação Doença de Parkinson é homenagem ao médico que descreveu o mal, em 1817, James Parkinson, segundo lembra o neurologista Marcus Vinícius Della Coletta, Secretário do Departamento Científico de Transtornos do Movimento da Academia Brasileira de Neurologia (ABN).

Ele relata ainda que os sintomas mais evidentes atingem a função motora do corpo, como tremor das mãos quando elas estão em repouso, lentidão dos movimentos, desequilíbrio, rigidez muscular, mas podem também afetar outras áreas e provocar alterações do sono, no intestino, dores musculares, alterações na fala e na deglutição.

“Um fator de extrema relevância é o diagnóstico precoce, pois o controle dos sintomas e a preservação da qualidade de vida são essenciais para o bem-estar do paciente e de seus familiares”.

O diagnóstico deve ser feito por um neurologista e é basicamente clínico, faz-se analisando os sintomas, as formas de evolução, a história de outras doenças associadas e o histórico familiar.

Doentes de Parkinson sofrem uma degeneração na região do cérebro chamada Substância Negra, que causa deficiência na dopamina (neurotransmissor que controla os movimentos finos e coordenados das pessoas).

Coletta afirma que atualmente já existem vários genes conhecidos que podem interferir no risco de alguma pessoa desenvolver a doença de Parkinson, mas a maioria destes genes sofre influência do estilo de vida e de fatores ambientais para desencadear a enfermidade.

Por isso, pontua a importância de ter hábitos alimentares saudáveis e a realizar atividade física regular, pois essas práticas podem trazer certa proteção adicional contra a doença.

Os pacientes precisam entender que a doença de Parkinson é uma enfermidade crônica, que necessitarão de tratamento constante. Não devem nunca abandonar os cuidados e orientações, pois isso pode agravar o quadro do paciente.

Atualmente existem duas linhas principais para o tratamento da doença, o medicamentoso e o cirúrgico. O médico afirma que os fármacos atuais ajudam a controlar de modo satisfatório a maior parte dos sintomas, no entanto, os tratamentos cirúrgicos estão ganhando mais espaço graças às técnicas avançadas.

“O Parkinson não tem cura, mas pode ser controlado”, conclui Coletta.

Sobre

Veja também

Saiba o melhor jeito de fazer papinha saudável para o seu bebê

A primeira fase de alimentação do bebê, após a amamentação, é de extrema importância, pois …