Diretoria de Projetos garante o bom planejamento de obras e instituições médicas


Responsável por aliar as necessidades da empresa ao planejamento estratégico e buscar a padronização das construções para diminuir ao máximo as intercorrências durante a supervisão de obras, a Diretoria de Projetos é um setor de extrema importância na área da saúde. A frente do gerenciamento de 40 colaboradores diretos e 500 indiretos, entre arquitetos e engenheiros no Brasil e Portugal, Robson Szigethy, Diretor de Projetos da Amil (Assistência Médica Internacional S/A) fala sobre as dificuldades, mas principalmente sobre suas contribuições de seu setor durante uma obra.

De acordo com Szigethy, a expertise no segmento de projetos e construções em ambientes médico-hospitalares, além do conhecimento das rotinas dos clientes possibilita a agilidade no desenvolvimento de projetos arquitetônicos. “O departamento sempre vai desenvolver as demandas de acordo com as características e utilização de equipes médicas do grupo. Buscamos sempre utilizar materiais de alto desempenho para padronizar as construções e não sofrermos contratempos que podem atrasar nosso itinerário”, diz.

Szigethy ainda afirma que outras preocupações constantes são a produção de  planos que tornem as unidades médicas flexíveis e com fácil expansibilidade, permitindo a incorporação de novas tecnologias de maneira sustentável. Para o diretor, também é necessário assegurar que as rotinas preventivas possam ser executadas facilmente. O profissional afirma que, para isso, o projeto deve oferecer acessibilidade. “Para que o processo seja possível, utilizamos patamares e paredes técnicas, shafts, lajes desobstruídas, forros removíveis, estruturas com modulações adequadas e ambientes técnicos de acordo com as normas vigentes e características dos equipamentos”, diz.

Entre os maiores desafios do setor, Szigethy destaca a dificuldade em encontrar profissionais qualificados no mercado de construção civil. “Temos obras em diversas capitais do Brasil e temos dificuldades para encontrar pessoas capazes de executar serviços específicos dentro de instituições de saúde”, afirma.

Artigo Anterior Hospital de Lisboa investe em complexo voltado para áreas especializadas
Próximo Artigo Pesquisa aponta mais de 50 drogas para combater ao Ebola