Home / Saúde Online / Desospitalização como saída para humanização e redução de custos

Desospitalização como saída para humanização e redução de custos

A desospitalização de pacientes com internação prolongada, seja por impossibilidade de alta devido às condições clínicas ou por tratamento medicamentoso parenteral prolongado, é de suma importância na qualidade de vida e tempo de recuperação dos pacientes.  Além de humanizar, este tipo de atendimento também impacta diretamente na redução dos custos para o sistema de saúde, uma vez que gera a redução no tempo de permanência dos pacientes no hospital, que apresentam custos elevados, como também no aumento de leitos oferecidos.

“Este conceito não deve ser analisado apenas com um nicho de mercado, mas também como um nicho de investimento, em que todos os lados têm benefícios: o paciente e seus familiares, a operadora de planos de saúde e a empresa prestadora de serviços de saúde domiciliar”, afirma Charles Michel Augusto Nascimento, sócio proprietário da Vale Internações Domiciliares.

Charles considera que as empresas de homecare precisam expandir seus negócios com foco nos pacientes com necessidades de tratamento parenteral e enteral de longo prazo, como, por exemplo, antibióticos venosos de longo prazo (osteomielites, discites, encefalites), quimioterapias e nutrição parenteral prolongada. “Desta forma, desmistificamos que o homecare é aplicado apenas a pacientes idosos com complicações clínicas, expandindo rol de atendimento do sistema de internação domiciliar. ”

A empresa vem apostando na aproximação da relação com gestores de planos e seguros de saúde a fim de desburocratizar a desospitalização. O objetivo é elucidar os benefícios clínicos e econômicos desta forma de tratamento. Contudo, Charles diz que o desconhecimento por partes de pacientes, familiares e da própria equipe médica hospitalar ainda é um desafio a ser superado. “Esta é uma relação que precisa ser melhorada para que a equipe hospitalar tenha facilidade de identificar quais pacientes podem fazer seu tratamento em domicílio, e assim deem início ao processo de desospitalização até sua efetivação”.

Outro desafio a ser superado está relacionado ao grande número de empresas e prestadores de serviços parciais (como de enfermagem, oxigênio, reabilitação) que vem surgindo e que se auto intitulam como “empresas de homecare”, prestando serviços incompletos e as vezes de má qualidade, sem gestão e controle de resultados, e assim comprometendo o conceito fundamental desta forma de tratamento.

A Vale Internações Domiciliares atua na região do Vale do Paraíba desde de 2001, sendo pioneira deste segmento na região e para 2017 a expectativa de crescimento está em torno de 6 a 8%.

  • matéria publicada na 47ª edição da revista Healthcare Management. Clique aqui e confira a edição completa.

Sobre

Veja também

Telemedicina no Sul do país, nova superintendência do HAOC e Santa Joana conquista JCI são os destaques do Direto da Redação

  O Direto da Redação traz os seguintes destaques da semana: Hospital e Maternidade Santa …