Home / Saúde Online / Debate sobre desospitalização marca 2ª Jornada de Hotelaria Hospitalar

Debate sobre desospitalização marca 2ª Jornada de Hotelaria Hospitalar

Ciclo de palestras promovido pelo SINDIHOSPA tratou, entre outras questões, de alternativas para pacientes com longa permanência

O público lotou o auditório do Hotel Sheraton, nesta quinta-feira (8), para acompanhar a segunda edição da Jornada de Hotelaria Hospitalar do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA). O ciclo de palestras sobre formação e melhores práticas reuniu profissionais de referência na área.

Um dos principais temas debatidos foi a desospitalização de pacientes de longa permanência. “Esse é um processo que deve começar logo após a internação”, defendeu Elide Gindro Zordan, do Hospital Sírio Libanês (SP). “O planejamento da alta deve ser uma preocupação de toda a instituição, e não apenas de uma equipe que atua isolada na gestão de leitos”, disse.

Segundo ela, a eficiência no serviço depende de uma estrutura completa de atendimento, que leve em conta o destino do paciente após a alta hospitalar. É nesse ponto que entra a negociação com as operadoras para os serviços de home care e a interface com as Instituições de Longa Permanência (ILPIs). “A pessoa se sentirá segura quando tiver esse suporte e entender, assim como a sua família e os médicos, que o hospital não é o melhor lugar para ele ficar”.

O debate seguiu com Marco Fossati, da Hospitalar ATS, de Porto Alegre. Ele apresentou uma análise estrutural do tema, com base em indicativos demográficos e epidemiológicos da população brasileira. “O sistema hospitalocêntrico está falido”, afirmou. Para ele, é preciso ampliar o investimento em um modelo integrado de gestão que envolva médicos, familiares, fontes pagadoras e prestadores.

“Costuma-se dizer que saúde não tem preço. Mas ela tem um custo. E alguém tem de pagar”, disse Fossati. Encaminhamentos para ambulatórios, clínicas de transição e retaguarda, atendimento domiciliar e hospedagem com saúde assistida para idosos são alternativas apontadas pelo médico para reduzir a longa permanência. “A desospitalização segura e efetiva deve ser estratégica para a instituição”, concluiu.

Henri Siegert Chazan, presidente do SINDIHOSPA, acredita que essa troca de ideias indica rumos para a capacitação e melhorias de práticas não apenas para hospitais, mas também para outros segmentos do setor da saúde. “A hotelaria hospitalar não se resume ao bem-estar do paciente. Trata da viabilidade de atendimento do sistema. E isso tem impacto direto nos residenciais geriátricos, por exemplo, que são tão importantes nessa cadeia”, avaliou.

Inovação e tecnologia, gerenciamento de enxoval, serviços de capacitação e inteligência emocional foram outros assuntos abordados na 2ª Jornada de Hotelaria Hospitalar. Profissionais de instituições de saúde da capital gaúcha – como os hospitais Divina Providência, Santa Casa, Moinhos de Vento, Mãe de Deus, Instituto de Cardiologia e Hospital de Clínicas – também integraram a programação do evento.

Sobre

Veja também

Telemedicina no Sul do país, nova superintendência do HAOC e Santa Joana conquista JCI são os destaques do Direto da Redação

  O Direto da Redação traz os seguintes destaques da semana: Hospital e Maternidade Santa …