Home / Healthcare Management / Ideias e Tendências / Hospital Alemão Oswaldo Cruz recebe certificado pela instalação da solução GigaLan MAX Green

Hospital Alemão Oswaldo Cruz recebe certificado pela instalação da solução GigaLan MAX Green

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP) recebeu um novo certificado Furukawa como responsável pelo primeiro projeto envolvendo a implantação da solução GigaLan MAX Green. Com foco na sustentabilidade e preservação do meio ambiente, essa solução inclui o primeiro cabo LSZH (Low Smoke Zero Halogen) para redes LAN do mundo a utilizar revestimento em polietileno verde (plástico produzido a partir do etanol, extraído da cana-de-açúcar), totalmente reciclável.

“Foram muitos os desafios para este projeto, principalmente por complexidades encontradas pela área da TI na estrutura física dos prédios antigos da nova unidade Vergueiro. Muitos andares precisaram ser reformados para se adequarem à realidade da tecnologia de um hospital moderno”, afirma Cesar Lisboa, supervisor de Infraestrutura e Operações de TI do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Toda a estrutura física para a instalação dos shafts e datacenters foram reconstruídas; as redes Wi-fi e cabeada foram refeitas. No total, foram instalados e certificados mais de 1.500 pontos de rede e não houve reaproveitamento de nenhuma estrutura do cabeamento antigo segundo Lisboa. O material teve descarte adequado por intermédio do Programa Green IT da Furukawa – criado em 2007 com o objetivo de propiciar a reciclagem e tratamento de materiais não-renováveis usados no cabeamento estruturado.

Entre as vantagens dessa solução estão a flexibilidade e as dimensões reduzidas em relação a produtos similares, que propicia economia de espaço nos dutos. “A flexibilidade deste cabo facilitou muito a instalação da nova infraestrutura, além de contribuir para a redução da ocupação nos dutos e o peso total do cabeamento instalado”, explica.

Em 113 km de cabos instalados nessa nova unidade hospitalar, a redução de peso chegou a 569 quilos. “A solução possui tecnologia antichamas e os componentes de fabricação da solução impossibilitam a propagação de fumaça tóxica, que é um requisito essencial em um ambiente crítico, como Hospital”, ressalta Lisboa.

 

Matéria publicada na 48ª edição da Healthcare Management. Clique aqui e confira a edição completa.

 

Sobre

Veja também

Sidney Klajner, Lorena P. Pereira e Maria Lucia Capelo Vides no 100 Mais Influentes da Saúde

A cerimônia de premiação do 100 Mais Influentes da Saúde foi o grande encerramento da …