Colorcon investe R$ 40 milhões em sua primeira planta na América Latina


Na última semana, a Colorcon,  fabricante de revestimentos e excipientes especiais para indústria farmacêutica, inaugurou sua primeira fábrica na América Latina. Localizada em Indaiatuba, interior do São Paulo, a planta será a décima primeira unidade industrial da multinacional e a sétima dedicada ao revestimento de películas para comprimidos. A inauguração contou com a presença do CEO global da empresa, Martti Hedman, e do presidente da Colorcon para as Américas, Perry Cozzone, além de autoridades e representantes de entidades do setor.

Ao todo, foram investidos R$40 milhões na nova unidade que fabricará produtos de revestimento de película para os mercados farmacêutico, nutricional e veterinário de Brasil, Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai.

De acordo com Martti Hedman, CEO global da Colorcon, o investimento no novo empreendimento é parte de uma estratégia global para posicionar as linhas de fabricação mais próximas dos clientes. “A nova fábrica vai reduzir os riscos de atrasos com importação e logística, permitindo que os nossos clientes usufruam de prazos mais curtos em todo o processo de revestimento de película”.

“A planta de Indaiatuba é também um passo importante para proteger a cadeia de abastecimento para os clientes, ao proporcionar a capacidade de fornecer e exportar revestimentos de película com a mesma qualidade, consistência e equivalência do produto fabricado em nossas outras seis unidades de fabricação ao redor do mundo”, continua o executivo.

Segundo Hedman, a planta tem capacidade para suprir 100% da demanda atual dos países do Mercosul e pode expandir a produção nos próximos anos.

Perry Cozzone, presidente da Colorcon nas Américas, disse que a fabricante está comprometida em fornecer produtos de alta qualidade e serviço de excelência para atender às necessidades de nossos clientes no mundo todo. “O investimento na planta brasileira reforça nosso propósito de oferecer aos clientes maior flexibilidade na programação de sua produção, fazendo com que os seus produtos cheguem de forma mais rápida ao mercado. ”

Artigo Anterior 100 Mais 2017: Entrevista com João Fábio Bianchi, Paulo Magnus e Alberto Ferreira da Costa
Próximo Artigo 100 Mais 2017 – Entrevista com Solange Plebani, Márcia Salvador Geó e Domingos Fonseca