Os benefícios da TI híbrida: expectativa versus realidade


A TI híbrida é uma realidade de hoje, e por mais que sua implementação pareça ser muitas vezes intimidante, há um número cada vez maior de organizações migrando para a nuvem. Na verdade, de acordo com o Índice de tendências em TI da SolarWinds para 2017: Retrato de uma organização de TI híbrida 95% das organizações brasileiras migraram aplicativos críticos para a nuvem no ano passado. Sendo assim, é de interesse de cada profissional de TI saber o que esperar.

Kong Yang: Head Geek™ da SolarWinds

Certamente, cada empresa tem uma expectativa diferente do que gostaria de ganhar com a migração de aplicativos ou da infraestrutura para a nuvem, mas a motivação mais atraente é, de longe, a oportunidade de conquistar um processo de gerenciamento simplificado, uma implantação mais rápida ou uma economia que beneficie os resultados financeiros.

Infelizmente, para muitas organizações, atingir esses benefícios não é fácil, talvez nem seja viável. Conforme demonstrado pelas descobertas no relatório deste ano, apenas cerca de um quarto (28%) dos profissionais de TI entrevistados obtiveram todos os benefícios esperados após a migração de áreas da infraestrutura de TI da organização para a nuvem. Parte disso pode estar relacionada a expectativas muito altas com a nuvem, sem a devida consideração antes da migração. Veja a seguir algumas realidades que os profissionais de TI devem considerar.

A nuvem não é barata

Os departamentos de TI no mundo todo sofrem pressão da gerência para migrar para a nuvem, já que ela é geralmente vista como um modelo mais barato se comparada com a hospedagem local de aplicativos. Mas esse nem sempre é o caso. Dependendo dos aplicativos que são migrados e dos serviços adicionais selecionados, pode acabar saindo mais caro para uma organização do que a implantação local. Até os profissionais de TI projetarem e criarem a pilha inteira, o preço provavelmente será mais alto do que o esperado. Com a imensa quantidade de serviços oferecidos pelas empresas, como a plataforma Amazon Web Services (AWS®), as organizações podem carregar recursos adicionais que oferecem maior amplitude e profundidade dos dados do aplicativo, mas isso tem um preço.

Por exemplo, conheço uma organização que costumava manter seus próprios datacenters, mas acabou decidindo migrar alguns de seus aplicativos para a AWS com o intuito de economizar custos. Depois de todos os serviços adicionais que ela incluiu à solução AWS, os gastos ficaram em torno de R$ 23.345.000 por ano, que era muito mais do que eles previram. A empresa acabou retirando parte dos serviços da nuvem e migrando para um modelo de datacenter de colocalização, o que reduziu os custos operacionais de TI para R$ 8.337.500 por ano. Esse exemplo vai de encontro à pesquisa e mostra que, embora os custos possam ser o principal motivador, há outras considerações importantes; afinal, 30% dos profissionais de TI que migraram ou tentaram migrar a infraestrutura para a nuvem acabaram voltando atrás no final das contas ou deixando parte no local.

Gerenciamento contínuo

O mais importante é ter em mente que, no ambiente sob demanda atual, o usuário final exige o tempo de atividade e um tempo de resposta aceitável, independentemente de onde o aplicativo está hospedado. Os ciclos de vida dos aplicativos também mudam, tornando-se menores e exigindo integração e entrega contínuas. Quando um aplicativo está na nuvem, os serviços passam a ser “demanda como serviço” e precisam ser executados em níveis ideais constantemente para cumprir os SLAs.

As partes operacionais da nuvem envolverão mais do que velocidade e feeds. Voltando no tempo da TI tradicional, os administradores tinham que realizar exercícios em planilhas para planejar o dimensionamento do datacenter. Eles precisavam considerar as necessidades atuais e determinar o que poderia acontecer depois de alguns anos de crescimento potencial para tomar uma decisão em relação ao tamanho do datacenter. Após a transição para a nuvem, esses serviços passam a ser sob demanda, e os profissionais de TI agora devem se dedicar a garantir o cumprimento dos SLAs dos aplicativos e trabalhar para manter a linha de base sob controle.

Uma das formas de se atingir isso é implementando um sistema de monitoramento que proporcione uma visão abrangente de todo o ambiente de TI híbrida. Esse tipo de sistema possibilita que a equipe de TI tome decisões bem-informadas sobre as cargas de trabalho que pertencem ao hardware local ou à nuvem. Em determinado momento, ele vai mostrar quando o desempenho de um aplicativo está caindo ou abaixo da média, seja na nuvem ou no hardware local, e comparar o desempenho relativo entre os dois para tomar decisões bem-informadas. Ao dominar as ferramentas de monitoramento de TI híbrida, o profissional de TI pode entender como os aplicativos mudam ao longo do tempo e acompanhar os requisitos reais e a carga de trabalho deles.

Considerações antes da migração

A TI híbrida torna os ambientes de TI mais complexos. Agora, os profissionais de TI têm de enfrentar várias partes móveis pelas quais eles são responsáveis, e apesar de não terem controle sobre muitas delas, ainda precisam gerenciá-las. Os profissionais de TI podem colocar seus aplicativos no servidor e na infraestrutura de terceiros, mas depois que os aplicativos estiverem lá (independentemente de residirem ou serem hospedados), esses profissionais ainda serão responsáveis pela qualidade de serviço dos aplicativos, garantindo o cumprimento com o SLA.

Um exemplo recente foi a falha no Amazon® S3, que afetou muitos sites e aplicativos Web que usavam a região S3 da AWS para armazenamento. Embora as organizações em todo o país tivessem aplicativos em execução em seus servidores, os profissionais de TI ainda eram responsáveis por garantir o funcionamento deles. Por essa razão, é essencial que as equipes de TI projetem adequadamente os aplicativos para diversos provedores de serviços de nuvem, pois isso reduz o risco de tempo de inatividade e baixo desempenho. Claro que a consequência disso é o aumento de variáveis e complexidade no ambiente de TI híbrida.

As equipes de TI também devem considerar cuidadosamente seu nível de experiência antes de migrar os aplicativos para a nuvem, principalmente uma nuvem pública. Elas devem começar por um aplicativo que não seja de missão crítica e migrar gradativamente para aplicativos mais importantes. Para garantir a proteção adequada dos dados na nuvem, as organizações de TI devem ter extrema consciência a respeito da mitigação dos riscos na hora de trabalhar com seu provedor de serviços de nuvem e tomar medidas para usar cuidadosamente as ferramentas de monitoramento e gerenciamento de segurança.

Práticas recomendadas

Com a crescente migração para a nuvem, os profissionais de TI precisam estar munidos de práticas recomendadas para acompanhar o ritmo deste panorama em transformação. Eles devem considerar o seguinte:

 

  • Colaboração: É vital que os profissionais se mantenham em contato com colegas do setor e também aproveitem as comunidades que são criadas em torno das novas tecnologias. Se eles puderem manter contato e colaborar com outros usuários, compartilhar estudos de caso e discutir o que funciona melhor para eles, terão uma vantagem para compreender e usufruir de todos os benefícios da TI híbrida.

 

  • Comunicação: Os profissionais de TI precisam de habilidades de comunicação avançadas. A comunicação bem-sucedida dos êxitos e problemas para a equipe de gerenciamento é muito importante. Eles também devem se comunicar claramente com seus provedores de serviços de nuvem, em especial quando há aplicativos espalhados por diversos locais.

 

  • Conjunto abrangente de habilidades: Como o cenário da TI híbrida continua mudando e evoluindo, os profissionais de TI precisam desenvolver um conjunto abrangente de habilidades para preparar seus trabalhos para a nuvem. Se os profissionais de TI obtiverem as habilidades necessárias para ganhar visibilidade e solucionar os problemas que acompanham esse ambiente de TI híbrida, eles terão capacidade para entrar nessa era da TI.

Se uma organização ainda não começou a migrar para a nuvem, há muitas chances de que comece a fazer isso em breve. Os profissionais de TI precisam estabelecer expectativas com a gerência no que diz respeito à TI híbrida, e a comunicação dessas expectativas e realidades será vital para comprovar o sucesso de qualquer implantação. Como o ambiente de TI está cada vez mais complexo, os profissionais de TI precisam continuar dominando novos conjuntos de habilidades e preparando seus trabalhos para a nuvem do futuro.

Kong Yang é Head Geek da SolarWinds

Anterior Ministério da Saúde deve ampliar acesso ao Farmácia Popular
Próximo Ministro anuncia aporte em saúde para prefeitura de São José dos Campos

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *