HUOL amplia em 62% os atendimentos em fonoaudiologia


Em 2016, crescimento da oferta gerou 1.281 novas vagas na especialidade

O Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ampliou o número de atendimentos em Fonoaudiologia em 62,18%, de acordo com comparativo dos últimos dois anos. Em 2015, foram registrados 2.060 atendimentos. Em 2016, o quantitativo subiu para 3.341 pacientes assistidos, representando oferta de 1.281 novas vagas na especialidade. O Huol é filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Para a aposentada Maria de Fátima Doro, 61, que sofre de labirintite, o acesso ao serviço criou a expectativa de dias com melhor qualidade de vida. “Tenho crises tão fortes que até já parei na emergência da UPA. Fui encaminhada à ‘fono’, para avaliar melhor e tratar as tonturas”, relatou. A fonoaudilogia auxilia ao exercitar o labirinto por meio de intervenção terapêutica em conjunto com o uso de medicamentos ou não. A medida visa diminuir enjoos e tonturas, por exemplo.

A unidade conta atualmente com cinco fonoaudiólogas, todas contratadas pela Ebserh, que atuam no diagnóstico, tratamento, estímulo e reabilitação dos distúrbios auditivos, da motricidade oral (relacionadas à articulação mandibular, mastigação, sucção e deglutição) e da linguagem.

A fonoaudióloga Claudiane Costa destaca que a intervenção das profissionais beneficia diretamente a recuperação, impactando na redução do tempo de permanência hospitalar. “Alguns pacientes encerram o tratamento, mas continuam dependentes da sonda alimentar. Ao reabilitar o ato de engolir, por exemplo, otimizamos a alta médica e encurtamos o tempo de internação”, explicou.

Reestruturação

A ampliação do quadro de profissionais começou em 2014, com a convocação dos aprovados no primeiro concurso da Ebserh para o Estado. Em 2016, o HUOL instituiu um ambulatório de fonoaudiologia pediátrica, sobretudo para acompanhar os pacientes com microcefalia. No mesmo ano, foi o primeiro hospital do Estado a receber o equipamento do tipo vHIT, de Teste do Impulso Cefálico com vídeo, para análise mais precisa das tonturas.

Anterior Dinamarca reduz custos em saúde com uso de câmeras em ambulâncias
Próximo Jorge Kalil é afastado da direção do Instituto Butantan

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *