Equipe de neurologia do Hospital Quinta D’Or é recertificada pelo padrão canadense de atendimento a casos de AVC


O Hospital Quinta D’Or é uma das únicas duas unidades hospitalares certificadas com a Acreditação Canadense, do Canadian Council on Health Services Accreditation, na América Latina. No dia 16 de fevereiro recebeu a recertificação, selo que confere que os protocolos de assistência aos pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC) são de alta performance, assegurando a qualidade e a segurança. Além disso, esta metodologia visa a melhoria contínua dos processos na integralidade do cuidado ao paciente.

“Desde o início da implementação do protocolo de qualidade o hospital vem melhorando significativamente seus indicadores. A Certificação Canadense credencia todos os processos que visam o atendimento mais rápido e preciso, minimizando as sequelas e reduzindo óbitos em casos de AVC”, declara a supervisora de qualidade do Hospital Quinta D’Or, Sandra Portella.

Além disso, o hospital conta com o conceito de integralidade dos serviços ao paciente, desde o atendimento na emergência, passando pela realização de exames diagnósticos com alta tecnologia e, caso necessário, a realização de procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos, com alto padrão de excelência.

Atendimento imediato a casos de AVC reduz sequelas e risco de mortalidade – O fator “tempo” é um dos principais influenciadores para que os pacientes acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (AVC) tenham melhores condições de recuperação. É fundamental que a equipe de assistência médica seja apta a identificar os sinais e sintomas para imediatamente iniciar o protocolo de atendimento específico para cada caso: isquêmico ou hemorrágico.

“A agilidade no atendimento a pacientes com AVC é determinante e requer comprometimento da equipe multiprofissional, afim de obter a melhor evolução clínica do paciente, reduzindo o tempo de internação e aumentando as chances de evolução sem sequelas. No Quinta D’Or a equipe está capacitada a realização do diagnóstico imediato, para iniciar o tratamento o quanto antes. Além disso, o hospital conta com tecnologia e infraestrutura de ponta para exames de diagnóstico e cirurgias minimamente invasivas, além de especialistas habilitados para o processo de reabilitação” esclarece o neurologista do Hospital Quinta D’Or, Pedro Varanda.

O Acidente Vascular Cerebral deriva da alteração do fluxo de sangue ao cérebro e é caracterizado por dois tipos, o isquêmico e o hemorrágico. O AVC isquêmico ocorre devido a uma obstrução de vasos sanguíneos, e o hemorrágico em decorrência da ruptura do vaso. A estimativa é que uma em cada seis pessoas no mundo sofram AVC, sendo o isquêmico responsável por cerca de 80 a 85% dos casos.

Existe uma classificação de gravidade dos casos de AVC, e, para tanto, o paciente é submetido a avaliação clínica (feita pela equipe médica), e também radiológica (através da tomografia ou ressonância de crânio). Esta conduta permite identificar e mensurar os riscos ao paciente.

“Confirmado o diagnóstico, é iniciado o tratamento. No caso de isquemia cerebral, dependendo do tempo de chegada do paciente a unidade hospitalar, pode-se utilizar medicações visando desobstruir o vaso acometido e/ou realizar procedimento endovascular, para retirada do coágulo que está obstruindo a circulação. Caso o tempo não permita, é iniciado tratamento conservador com a realização de exames, medicações de prevenção e início precoce de reabilitação é instituído com equipe multidisciplinar. Para os casos de sangramento cerebral, após se determinar o fator causal, pode ser necessário procedimento neurocirúrgico, endovascular, realizado em uma sala especial de hemodinâmica, ou tratamento conservador multidisciplinar”, ressalta o neurologista.

AVC mais frequente antes dos 40 anos

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o AVC é uma das principais causas de morte e de sequelas no mundo, e a terceira causa de morte no Brasil. O Ministério da Saúde divulgou, ainda, que pessoas com menos de 40 anos estão cada vez mais propensas a ter casos de AVC. O estresse é um dos grandes responsáveis, assim como o histórico familiar e os maus hábitos (fumo, álcool, sedentarismo), e outros fatores de risco, como a hipertensão, diabetes e o colesterol.

Em caso de dor de cabeça súbita e de intensidade muito forte, é indicado a procura de atendimento hospitalar. Embora nem todos os casos possam ser diagnosticados como AVC, sempre é importante uma avaliação de especialista, já que o tempo de diagnóstico interfere diretamente na assistência.

Sinais e sintomas

O organismo emite alguns alertas que contribuem para o diagnóstico ágil dos quadros de AVC, sendo que a associação de alguns destes servem de maior alerta para a procura imediata por atendimento médico de emergência.

Forte dor de cabeça, com aparecimento súbito e, possivelmente, acompanhada por vômitos

Dormência na face, nos membros inferiores e superiores – geralmente em um dos lados do corpo

Dificuldade de movimentação, podendo evoluir para perda de equilíbrio e paralisia

Restrições na fala e na compreensão

Dificuldade para enxergar

Anterior Programa de residência do Hospital Santa Izabel forma nova turma de médicos
Próximo IBM cria molécula que pode ser usada em computação quântica

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *