Ministério da Saúde e IBGE integrarão dados para fortalecer políticas públicas


Entre as iniciativas está a união das informações de Estatísticas Vitais, do Ministério da Saúde, com dados dos cartórios brasileiros coletadas pelo IBGE

Uma parceria firmada entre o Ministério da Saúde e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aprofundará pesquisas para apoiar o planejamento de políticas públicas na área da saúde.

A medida, que tem por objetivo a economia dos recursos públicos e o aprimoramento de dados, foi anunciada durante a 3ª Conferência Nacional de Produtores e Usuários de Informações Estatísticas, Geográficas e Ambientais (INFOPLAN).

O estudo vai contar com a integração de dados de Estatísticas Vitais (nascimentos e mortes) do Ministério da Saúde, com informações dos cartórios brasileiros coletadas pelo IBGE. A ação permitirá que o País tenha uma única base de dados. Assim, não haverá diferença de informações de nascimentos e óbitos, o que torna o dado mais qualificado e confiável.

Outra novidade é a realização em conjunto das Pesquisas Nacionais em Saúde (PNS) e de Demografia e Saúde (PNDS).  A articulação da PNS com a PNDS possibilitará a redução dos custos de equipe e trabalho de campo nas entrevistas com as famílias. Além disso, a pesquisa de Assistência Médica Sanitária / Hospitais será retomada. O estudo tem como objetivo identificar a capacidade instalada e a oferta de serviços de saúde no Brasil, servindo como um senso dos estabelecimentos de saúde.

Na ocasião, o ministro da Saúde, Ricardo Barross destacou a importância de acordos com órgãos especializados para aperfeiçoar o trabalho. “Temos feito um grande esforço para qualificar cada vez mais as informações do Sistema Único de Saúde e essa parceria com o IBGE é fundamental para esse aprimoramento e, consequentemente, a criação de políticas públicas adequadas às realidades da população”, afirmou.

Alimentação e nutrição

Outra novidade será a ampliação do número de domicílios que participarão do levantamento sobre o Consumo Alimentar Pessoal, da Pesquisa de Orçamentos Familiares, a ser realizada em 2017/2018. A implementação deste bloco tem como objetivo apoiar as políticas públicas em alimentação e nutrição.

Os primeiros resultados, realizados em 2008/2009, subsidiaram o Ministério da Saúde, dentre outras ações, na elaboração do Guia Alimentar para a População Brasileira, e no acordo de redução do sódio em alimentos industrializados. Até 2016, o acordo já conseguiu retirar quase 15 mil toneladas da mesa dos brasileiros.

Anterior Ímãs poderão ser usados para remover bactérias do sangue
Próximo Governo firma acordo com Dinamarca no setor de saúde

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *