Implante cerebral permite que paciente volte a se comunicar


Um implante cerebral de uso doméstico permitiu, pela primeira vez, a transformação de “pensamentos” em texto possibilitando uma paciente de 58 anos, totalmente paralisada, de se comunicar.

A paciente foi diagnosticada com a ELA (esclerose lateral amiotrófica), doença degenerativa que afeta a capacidade de controlar o corpo. Além dessas limitações, a doença também tirou da paciente a capacidade de comunicação, causando o desenvolvimento da síndrome do encarceramento, na qual a vítima está ciente do que acontece ao seu redor, mas não pode se mexer ou se comunicar.

Até o implante, o método usado para que ela se comunicasse era um sistema de reconhecimento dos olhos; ela apontava os olhos para uma letra na tela e, fazendo isso com todos os caracteres de uma palavra, era possível formar frases. O problema disso é que um terço dos pacientes com ELA também acaba perdendo o movimento dos olhos. Outros métodos similares podem não ser tão confiáveis.

O implante foi desenvolvido pelo Centro Médico Universitário Utrecht, na Holanda, que se esforçou para permitir o uso fora de um ambiente controlado de laboratório. Para isso, a equipe se focou em detectar os sinais cerebrais que surgem quando o cérebro conta de trás para frente e comanda o corpo para clicar um mouse.

O dispositivo se conecta ao cérebro através de um buraco no crânio. Ele registra sinais cerebrais e os transmite sem fios para um tablete que transforma os sinais em “cliques”, e um software especializado ajuda a paciente a soletrar o que ela quer dizer. No primeiro de uso, a mulher estabeleceu um sinal cerebral com o sistema e agora, seis meses depois, ela já alcançou uma precisão de 95%.

Trata-se de um sistema ainda bastante básico, criado para poder ser usado fora do laboratório, e que tem uma aplicação clara: fazer a paciente voltar a se comunicar. Por exemplo, não seria possível adaptar a tecnologia para controlar membros artificiais, mas ela ao menos já fornece mais liberdade. Especialmente se levado em conta que o antigo sistema de reconhecimento do movimento dos olhos não podia ser usado em ambientes externos.

Anterior OMS suspende emergência internacional para zika vírus
Próximo Teste via USB é capaz de detectar HIV em 30 minutos

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *